segunda-feira, 1 de junho de 2015

falling down

a tempestade deixa-se cair na noite
tal como tu te deitas em mim
eu fecho os olhos para te sentir
tu deixas-te ficar com eles abertos para não sonhar

quando a água me entra pela boca
e me vem encher os pulmões
eu não sufoco
mas deixo-me sufocar
por tudo aquilo que nunca serás

1 comentário:

  1. A violência de certos sentires entram em nós e parecem nunca mais sair.

    ResponderEliminar